Sustentavel Mente

Porque nossas escolhas podem mudar o mundo!

Descarte de lâmpadas 24/08/2010

 Ao falar sobre lixo, uma das perguntas que eu mais ouço é: – Como e onde descartar as lâmpadas?

E ao responder que aqui em São José dos Campos existem os PEV’s – Postos de Entrega Voluntária, vem o seguinte comentário: – Mas eles ficam muito longe; não tem um lugar mais central?

 Até a semana passada eu respondia que infelizmente não, mas que poderiam deixar as lâmpadas comigo e eu me encarregaria do descarte.

 E assim, durante um tempo fui coletando lâmpadas. Apesar da minha boa vontade, eu ainda não havia tido tempo de ir ao PEV mais próximo fazer a entrega. E os PEV’s recebem uma quantidade limitada de cada material por habitante, para caracterizar como descarte doméstico. Meu limite já estava ultrapassado e teria que fazer mais de uma viagem até lá.

Qual não foi minha alegria ao descobrir, por acaso, que a Leroy Merlin recolhe este tipo de resíduo! Finalmente, um lugar de fácil acesso para os meus queridos amigos-leitores do blog e todas as pessoas conscientes que desejam fazer sua parte para a preservar este lindo planeta, descartando corretamente as lâmpadas consumidas! Além de vidro, plástico e papel. Acho importante destacar que o ponto de coleta fica no estacionamento, ao lado da entrada da loja, não é preciso consumir produtos, nem entrar no estabelecimento.

 A loja da Leroy Merlin está localizada na Av. Andrômeda, 100 – Jardim Satélite – São José dos Campos. Em frente ao Vale Sul Shopping e ao lado da Rodovia Presidente Dutra – sentido Rio de Janeiro. Confira o mapa aqui http://migre.me/174kR

 A rede tem um programa de sustentabilidade “Construir e Sustentar”, para implementar ações de responsabilidade ambiental e social, faz ações beneficientes, oferece eco produtos em suas lojas e conta com a primeira loja de varejo brasileira a receber a certificação AQUA (Alta Qualidade Ambiental): a loja de Niterói. Saiba mais: www.leroymerlin.com.br

PEV’sPostos de Entrega Voluntária da Prefeitura Municipal de São José dos Campos:

  • Campo dos Alemães – Avenida dos Evangélicos, 601 (defronte ao Parque Senhorinha)
  • Galo Branco (Eugênio de Melo) – Avenida Benedito Luiz de Medeiros, 801 (atrás da escola estadual)
  • Parque Interlagos – Rua Ubirajara Raimundo de Souza, 21 (saída sentido Campo dos Alemães)
  • Conjunto 31 de Março – Rua Guidoval, 100

 O serviço é gratuito e funciona das 8h às 17h durante a semana e das 9h às 16h aos sábados, domingos e feriados. PEV: http://www.sjc.sp.gov.br/semea/pev.asp

Anúncios
 

Relatório do Inpe vira ‘arma’ contra extração de areia 26/05/2010

Reportagem de FLÁVIA MARREIRA – São José Dos Campos – Jornal O Vale

 Um relatório apresentado ontem pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e pelo Ministério Público – que identificou 287 cavas de areia no Vale do Paraíba, mas nenhuma com recuperação ambiental – será utilizado pelos ambientalistas como arma contra a autorização da mineração em São José dos Campos.

 Às 14h de hoje, eles se reunirão com a Comissão de Planejamento da Câmara, liderada pelo vereador Cristiano Pinto Ferreira (PSDB), para mostrar os impactos ambientais gerados pelas cavas de areia. Ontem, membros do Comam (Conselho Municipal do Meio Ambiente) tiveram conhecimento do relatório em uma reunião no instituto. “Vamos compilar esses dados e apresentá-los à comissão dos vereadores. Vamos também protocolar pedido para fazer uma reunião com todos os vereadores sobre o assunto”, disse Lincoln Delgado, membro do Comam e do grupo Consciência Ecológica. Ele afirmou também que a mesma apresentação de ontem será feita aos parlamentares, no dia 1º de junho, pelo Inpe e pelo Ministério Público.

Discussão

 A proposta de retomada de extração de areia em São José – proibida desde 1994 – foi enviada à Câmara pelo setor da construção civil e pelo Sindareia (Sindicato das Indústrias de Extração de Areia no Estado de São Paulo). Eles afirmam que São José é a maior consumidora de areia no Vale e que a construção civil precisa ser abastecida. Desde então, ambientalistas  montaram uma frente contra o empreendimento, por causar degradação ambiental.

Dados

 De acordo com o relatório do Inpe, com dados de 2009, existem 287 cavas de areia na região. Delas, 85 estão em atividade e 42 funcionam parcial ou integralmente fora da zona de mineração. Além disso, nenhuma das 287 cavas tiveram recuperação ambiental, segundo o MP.

 “Se eles não cumpriram a legislação, não recuperaram em todo o Vale do Paraíba, como vai autorizar em São José?”, questionou o suplente do Comam e membro do Fórum Permanente em Defesa da Vida, Vicente Cioffi.

 Os ambientalistas afirmaram ainda que vão protocolar o problema no MP para que as autoridades cobrem a recuperação ambiental da mineração nas outras cidades da região.

Fonte: http://migre.me/IktX